A trajetória de Milton Bigucci

Confira a trajetória de sucesso do empresário Milton Bigucci

Confira a trajetória de sucesso do empresário Milton Bigucci:

1940

No dia 28 de setembro de 1940, Roberto Scarpelli Amedeo Bigucci se casou com Trindad Marin Bigucci, filha de espanhóis, nascida em Jaú (SP). O casamento ocorreu na Igreja Nossa Senhora Aparecida, no bairro do Ipiranga, em São Paulo, e fixaram residência na Rua das Municipalidades, na Vila Carioca. Foi nessa casa que, no dia 19 de dezembro de 1941, Trindad deu à luz Milton Bigucci. O casal teve também uma filha, Célia Bigucci, nascida em 10 de dezembro de 1943.

Depois, a família mudou-se para a Rua Tabajaras, no bairro da Mooca e, posteriormente, para a Rua Guaperoba, no Alto do Ipiranga em uma casa semiconstruída. O Sr. Roberto, pai de Milton Bigucci, era carpinteiro e sua mãe, Sra. Trindad, dona de casa. Ambos fizeram apenas o curso primário, no entanto, esforçaram-se para que os filhos, Milton Bigucci e Célia Bigucci, pudessem estudar. A família levava uma vida humilde, mas Milton Bigucci lembra com carinho de sua infância e destaca um episódio que foi marcante em suas vidas: nos idos de 1949, ele e seu pai presenciaram um acidente e queda de um caminhão carregado de grandes caixas de madeira com máquinas, em uma lagoa denominada Tanque da Pólvora, perto da Rua Guaperoba.

Essas caixas de pinho branco, abandonadas no local do acidente, foram úteis para o Sr. Roberto Bigucci. Como a sua casa não tinha forro e fazia muito frio internamente, “as caixas foram usadas para forrar o quarto, graças a Deus”, complementa Milton Bigucci. Hoje, Roberto Scarpelli Amedeo Bigucci é nome de rua, tendo sido homenageado pela Câmara Municipal de São Bernardo do Campo.

1949

Milton Bigucci fez o curso primário no Grupo Escolar Alcântara Machado, na Avenida do Cursino, 338, no Alto do Ipiranga, de 1949 a 1952. Por causa de dificuldades financeiras, Milton Bigucci começou a trabalhar muito cedo. O início de sua vida profissional foi de muita luta e trabalho o que, segundo ele, exigiu uma boa dose de otimismo e dedicação.

1950

Em 1950, aos 9 anos de idade, Milton Bigucci começou a trabalhar como auxiliar de limpeza e office-boy na clínica de uma dentista na Rua Vergueiro, 7693, no Alto do Ipiranga. Essa primeira experiência foi frustrante porque, ao final do primeiro mês de trabalho, a dentista mudou-se, durante a noite, e não pagou o aluguel da casa e o que seria o seu primeiro salário.

Após essa experiência, Milton Bigucci passou a entregar gravatas que sua mãe costurava para uma loja no Parque Dom Pedro (SP), duas ou três vezes por semana, indo de ônibus sozinho. Isso com 9 anos. Em seguida, aos 11 anos, Milton Bigucci começou a trabalhar como aprendiz de balconista na Casa Freire do seu, no futuro, amigo Nelson Freire. Era uma loja de ferragens e materiais de construção, localizada na Rua Lino Coutinho, no bairro do Sacomã, no Ipiranga. Milton Bigucci arregava tinta em pó no sábado à tarde, após o fechamento do horário comercial, para ganhar uns trocados para ir à matinê do cinema no domingo. Chegou a vender gibi na porta do cinema para poder entrar, algumas poucas vezes. Ficou lá até os 14 anos.

Nesse período, Milton Bigucci passou por mais uma adversidade. Após o término do curso primário, teve que ficar dois anos sem frequentar a escola devido à falta de recursos. Só em 1954 ele conseguiu ingressar na Escola Técnica Modelo, situada na Via Anchieta, onde fez o curso de Admissão e, a partir de 1955, ingressou no curso Comercial Básico (antigo ginasial). Como era um aluno aplicado, Milton Bigucci pagou apenas as mensalidades do primeiro ano. A partir daí, ganhou bolsa de estudo integral durante todos os anos (prêmio dado ao melhor aluno da classe).

1955

Em 1955, aos 14 anos, Milton Bigucci começou a trabalhar nas Linhas Corrente (fábrica de linhas de costura), situada na Rua do Manifesto, 705, Ipiranga, como arquivista e auxiliar de Departamento Pessoal, onde ficou até 1959.

Aos 18 anos Milton Bigucci foi trabalhar na Indústria de Molas C. Fabrini, localizada no Km 12 da Via Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP). Nesse período, Milton Bigucci fez curso Técnico de Contabilidade na Escola Técnica Comercial Modelo, com duração de três anos, concluído em 1961, turma da qual também foi orador.

1961

Em 1961, Milton Bigucci estava no último ano do curso de Contabilidade quando ele e alguns colegas foram procurados pelos diretores da construtora Itapuã Comércio e Construções Ltda., do dr. Enio Monte e dr. Szymon Goldfarb, localizada na Rua Costa Aguiar, 1761, e posteriormente na Rua Bom Pastor, 2530, no bairro do Ipiranga. Os diretores foram até a Escola Modelo com o intuito de encontrar um jovem que poderia ser, no futuro, contador da empresa. Apenas Milton Bigucci se apresentou no dia seguinte. Foi aprovado e começou a trabalhar na área de contabilidade da empresa, onde começou aprender com o sistema de fichas tríplices (formulários impressos em três vias de cores diferentes usados para lançamento contábeis de documentos).

Bigucci lembra que essa época foi de muito aprendizado porque costumava se reunir semanalmente com o contador da empresa terceirizado, nos bancos de jardim da Praça da Sé, centro da capital paulista, pois o bairro do Ipiranga era longe. Este foi seu início no ramo da construção civil.

1962

Milton Bigucci continuou estudando e formou-se professor de Contabilidade na Faculdade Mackenzie, em 1962.

1963

Em 1963, Milton Bigucci fez o cursinho para Direito no Cursinho Castelões, na Rua São Bento, centro da capital paulista. Prestou vestibular para a Faculdade de Direito do Largo São Francisco da Universidade de São Paulo (USP). Neste ano, Milton Bigucci foi trabalhar na Mercedes Benz onde exerceu os cargos de Auditor Júnior, Auditor Sênior e, posteriormente, Assistente do diretor Financeiro.

1964 

Em 1964, Milton Bigucci ingressou na Faculdade de Direito da USP, no período noturno, aprovado entre os primeiros 50 colocados. Em agosto de 1968, Bigucci foi chamado para trabalhar novamente na Itapuã para atuar como diretor Administrativo e Financeiro da construtora. Apesar de a Mercedes Benz propor-lhe um salário maior, Milton Bigucci aceitou voltar para a Itapuã porque “era a oportunidade de se realizar profissionalmente e ter a sua emancipação econômica”, complementa. Esse ano marca o seu retorno para o ramo da construção civil. Até 1985, Milton Bigucci ajudou a empresa Itapuã a crescer e se tornar uma das maiores do Estado de São Paulo. Além disso, esse período estava favorável à área porque o Banco Nacional da Habitação (BNH) disponibilizou vastos recursos para aplicar em habitação em todo o País.

1968

Em 1968, Milton Bigucci gradua-se advogado pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco da USP, turma na qual se destacou o ministro do STJ, Sidnei Agostinho Beneti.

1969 

No dia 3 de maio de 1969, Milton Bigucci casou-se com Sueli Pioli Bigucci, com quem teve quatro filhos: Roberta Bigucci, Milton Bigucci Junior, Marcos Bigucci e Marcelo Bigucci, que já lhe deram onze netos até o momento.

Sueli Pioli Bigucci é contadora, mãe dedicada e avó presente. Ela é autora do romance “Amar – a verdadeira razão de viver” e criadora do site de auto-ajuda www.reflexaodevida.com.br, que tem recebido a visita de milhares de internautas.

Os filhos de Milton Bigucci são muito dedicados e excelentes profissionais na empresa. A família Bigucci é muito unida. Seus dois sobrinhos são também excelentes profissionais e muito queridos. “Todos trabalham desde os 12 anos. É a ‘molecada’ que toca a empresa hoje. Os seis dirigem a empresa e responsabilidade e competência não lhes faltam”, diz Milton Bigucci. Os cinco “meninos” jogam futebol com o pai e o tio. A Roberta Bigucci foi a executora da implantação das ações de responsabilidade social da empresa.

1983

No dia 7 de outubro de 1983, ainda trabalhando na Itapuã Comércio e Construções Ltda., Milton Bigucci fundou a empresa MBigucci (registrada no dia 24/10/83). Só em 28 de fevereiro de 1985, Bigucci decidiu sair da Itapuã para dedicar-se exclusivamente à sua querida MBigucci, quando a mesma começou a produzir habitações.

“Eu acredito no trabalho, na educação, na família, no otimismo, na sociedade, na solidariedade e no respeito.”
Milton Bigucci

(veja mais frases de Milton Bigucci)

1985

Seu perfil empreendedor o levou a buscar novos negócios. Em 1985, Milton Bigucci abriu uma loja de automóveis na Avenida Nazaré, 1953, no bairro do Ipiranga, cujo gerente foi seu sobrinho Rubens Toneto. Junto com os dois sobrinhos (Robson e Rubens) abriu uma loja de materiais de construção na Rua Pátria, em Santo André. Posteriormente, ambos os estabelecimentos foram vendidos. Nesse período, Milton Bigucci começou a criar gado de corte e leiteiro em Paranapanema, interior de São Paulo, onde havia comprado, em 1982, 200 alqueires de terra. Milton Bigucci criou também cavalo andaluz puro sangue, sendo inúmeros premiados em diversos eventos.

1990

Milton Bigucci inicia novo negócio, abrindo um posto de combustíveis chamado Big Bol, na Avenida Piraporinha, 1461, em Diadema. O empresário Milton Bigucci abriu também duas quadras de futebol society com o mesmo nome do posto, na Rua Mário Fongaro, na Vila Marlene, em São Bernardo do Campo (SP). A abertura das quadras foi uma iniciativa pioneira do futebol society no ABC. Embora tenha dividido, em algumas épocas, um pouco do seu tempo com esses negócios, Milton Bigucci faz questão de deixar claro que o seu foco, há 47 anos, é a construção civil.

1997

Milton Bigucci acumulou conhecimento com iniciativas sociais atuando no ramo da construção, há mais de 40 anos, em São Paulo e no ABCD. O contato estimulou Milton Bigucci a propor soluções para os principais problemas do País, posteriormente registradas em artigos publicados na imprensa e em seus livros. Hoje Milton Bigucci tem três obras publicadas, focadas na reflexão de temas sociais e com renda revertida para entidades beneficentes.

Milton Bigucci é autor dos livros “Caminhos para o Desenvolvimento”, “Somos Todos Responsáveis – Crônicas de um Brasil Carente” e “Construindo uma Sociedade mais Justa”. Sua importância como escritor lhe rendeu uma vaga, em 2003, como imortal na Academia de Letras da Grande São Paulo, cadeira nº 5, cujo patrono é Lima Barreto, além dos recentes “7 Décadas de Futebol”, “50 anos na Construção”.

2014

Milton Bigucci lança o livro 7 Décadas de Futebol no Museu do Futebol, no Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

Bigucci recebe o prêmio As Melhores da Dinheiro 2014, concedido pela revista Istoé Dinheiro, onde a MBigucci foi premiada como a melhor Construtora de Capital Fechado do Brasil.

Notícias relacionadas: 

Diário Regional: Bigucci lança livro 7 Décadas de Futebol

Revista Unick: Bigucci é eleita a melhor construtora de capital fechado do Brasil

Secovi-SP: Associada ao Secovi (MBigucci) é eleita a melhor construtora de capital fechado do Brasil

Tribuna do ABCD: Bigucci é premiada como a Melhor Construtora de Capital Fechado do Brasil pela revista Istoé Dinheiro

Portal VGV: Bigucci é eleita Melhor Construtora de Capital Fechado do Brasil pela revista Istoé Dinheiro

ABC Imóveis na Planta: Bigucci é premiada como a Melhor Construtora de Capital Fechado do Brasil pela revista Istoé Dinheiro

Youtube: Bigucci recebe prêmio As Melhores da Dinheiro 2014

2015

Bigucci é homenageado pela Câmara Municipal de São Caetano do Sul e recebe o título de cidadão sulsancaetanense.

 

Veja também:

Milton Bigucci no Linkedin

Milton Bigucci no Facebook

Milton Bigucci no Twitter

História de Milton Bigucci

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *